segunda-feira, 2 de junho de 2008

UM INÍCIL DIFÍCIO

"Fat, bald, repulsive..."
- Charlie Kaufman, personagem de Nicolas Cage no filme Adaptação.
Pois eu diria mais, prezado senhor: Fat, bald, repulsive, BROKEN AND DUMB!
É, acho que isso sintetiza bem o momento. De uns tempos pra cá, venho vivendo um constante processo de ignorantização. Não que isso tenha sido escolha minha (e eu tive escolha?), mas o pequenino mundo em que vivo me obriga a ser mais com menos - mais ignorante com menos dinheiro. Nem o meu cabelo quer mais a minha companhia! Estão, fio a fio, cometendo suicídio! Antes que eu perceba não vou mais poder fazer um corte no melhor do estilo moicano ou, se me tornar um fanático, igual a um monge franciscano.
Mas eu não vim falar disso, ora pois! Não hoje! O fato é que eu estou perdendo meu QI! Ele está escorrendo junto com a Dona Coriza, acho. Um vazamento que deve ser contido rapidamente. Só não sei como.
Ah, talvez eu o tenha perdido no (primeiro e único) ano em que cursei Administração de Empresas... foi neste período que me tornei o idiota capitalista, hipócrita e demagogo que sou (eu considero isso um avanço, mas pense o que quiser)!
Durante esse martírio, quero dizer, ano, não aprendi muita coisa - não por culpa de professores e conteúdo programático (bondade da minha parte); só comecei a aprender logo depois que percebi que para mim esse curso seria um barco furado - e pulei fora dele enquanto ainda restava um colete salva-vidas do meu tamanho. E isso, apesar da imensa quantidade de demagogia existente neste tipo de discurso, faz de mim uma pessoa com espírito de porco empreendedor.
Sabendo disso, deveria eu me candidatar a algum cargo público? Nah!... Prefiro minha patética e pacata existência assim, do jeito que é. Me tornei um cidadão comum, daquele tipo que só vai vivendo, sem expectativas. OK, sem problemas... Tudo aquilo que força minha vida a ser assim tem servido de lição para meu amadurecimento... Mas é melhor eu parar de amadurecer, senão daqui a pouco eu apodreço e caio do pé!
Bom, agora deixa eu ir lá ter algumas aulas de gramática pra não ofender os intelectuais que provavelmente não lerão este - e nenhum outro post.

P. S. Minha intenção aqui não é das melhores, pois não pretendo descobrir e publicar nenhuma cura, mas sim, corroer (isso mesmo, CORROER!) as situações cotidianas com acidez à la Stanley Kubrick (quanta pretensão!), sem a intenção de ofender qualquer um dos dois únicos leitores deste blog. Apesar de não mais dominar as técnicas da escrita, ainda resta uma chama de feeling acesa. Eu só preciso de uma chance. Conto com você(s)!

Um comentário:

Renato Lacerda Ferreira disse...

Muito bom o post! Fazia tempo que não lia texto seu - continua ótimo, com um humor muito inteligente!